Plutão: Conheça o Hades da Mitologia Romana

10/02/2022

     Plutão ou Pluto, é o nome dado, na Mitologia Romana, ao Deus Grego Hades. Pluto é o Rei do Submundo e tem como animal de estimação, Cérbero, o Cão de três cabeças e guardião do submundo.

Hades na Mitologia Romana:

     Plutão é como ficou conhecido o deus dos mortos e das riquezas na Mitologia Romana, após a introdução dos mitos e da literatura gregas. Originalmente, não possuíam os romanos uma noção de um reino para a felicidade ou infelicidade pós-morte, como o Hades grego - senão uma imensa cavidade, chamada Orco, que mais tarde passou a identificar-se com o submundo grego. 

     Ao deus que o comandava, então, incorporaram Hades, sob o seu epíteto de Pluto. Ele também era responsável por tudo que se encontra abaixo da terra.

     Era filho de Saturno (Cronos) e de Reia e irmão de Júpiter e Netuno. Quando Júpiter fez a partilha do Universo, deu a Plutão o império dos infernos. Plutão era tão macabro e assustador, que não conseguia encontrar mulher que o aceitasse para casar. 

     Por isso resolveu roubar Proserpina, filha de Júpiter e de Ceres - deusa da agricultura - quando ela ia a caminho da fonte de Aretusa, na Sicília, para buscar água. Plutão é representado com uma coroa de ébano na cabeça, as chaves dos infernos na mão, num coche puxado por cavalos negros.

Plutão era, o Deus da Mitologia Grega, Hades.

Celebração:

     Em sua homenagem era celebrado um grande festival em fevereiro, quando então eram-lhe ofertados sacrifícios de touros e cabras negros (as festas romanas de fevereiro) por um sacerdote caracterizado por uma coroa de cipreste, e com a duração de doze noites. 

     Não havia, em Roma, templos dedicados a Plutão. Plutão é casado com a sobrinha Proserpina, filha de Ceres (equivalentes, respectivamente, às deusas gregas Perséfone e Deméter).


Livros de Mitologia Grega em Oferta >>> https://amzn.to/31OA0lm


Um fato interessante:

     Ao contrário de seus irmãos Zeus e Poseidon (Júpiter e Netuno), que procriam livremente, Plutão é monogâmico e raramente é dito que tem filhos. Nos textos órficos, a ninfa ctônica Melinoe é filha de Perséfone com Zeus disfarçado de Plutão, e as Eumênides são descendentes de Perséfone e Zeus Chthonios, muitas vezes identificados como Plutão. 

     O poeta Augusto Vergil diz que Plutão é o pai das Fúrias, mas a mãe é a deusa Nox ( Nyx ), não sua esposa Perséfone. A falta de uma distinção clara entre Plutão e "Zeus ctônico" confunde a questão de saber se em algumas tradições, agora obscuras, Perséfone deu filhos ao marido.

Recomendamos: Fanes, o Deus da Vida

Culto:

     Como Plutão ganhou importância como uma personificação da riqueza agrícola dentro dos Mistérios de Elêusis, a partir do século V aC, o nome Hades foi cada vez mais reservado para o submundo como um lugar. Nem Hades nem Plutão eram um dos Doze Olimpianos tradicionais, e Hades parece ter recebido culto limitado, talvez apenas em Elis, onde o templo era aberto uma vez por ano. 

     Durante o tempo de Platão, os atenienses periodicamente honravam o deus chamado Plouton. Em Elêusis, Plouton tinha sua própria sacerdotisa. Plutão era adorado com Perséfone como um casal divino em Knidos, Éfeso, Mitilene e Esparta, bem como em Elêusis, onde eram conhecidos simplesmente como Deus (Theos) e Deusa (Thea).


Plutão no Cristianismo:

     Escritores cristãos da antiguidade tardia procuraram desacreditar os deuses concorrentes das religiões romana e helenística, muitas vezes adotando a abordagem euhemerizante ao considerá-los não como divindades, mas como pessoas glorificadas por meio de histórias e práticas de culto e, portanto, não verdadeiras divindades dignas de adoração. Os deuses infernais, no entanto, mantiveram sua potência, tornando-se identificados com o Diabo e tratados como forças demoníacas pelos apologistas cristãos.

     Uma fonte de repulsa cristã em relação aos deuses ctônicos era a arena. Atendentes em trajes divinos, entre eles um "Plutão" que escoltou os cadáveres para fora, faziam parte das cerimônias dos jogos de gladiadores. Tertuliano chama a figura empunhando uma marreta geralmente identificada como o Charun etrusco de "irmão de Júpiter", isto é, Hades/Plutão/Dis, uma indicação de que as distinções entre esses habitantes do submundo estavam se tornando indistintas em um contexto cristão. 

     Prudêncio, em sua polêmica poética contra o tradicionalista religioso Símaco, descreve a arena como um lugar onde se cumpriam votos selvagens sobre um altar a Plutão, onde os gladiadores caídos eram sacrifícios humanos a Dis e Caronte recebia suas almas como seu pagamento, para deleite do submundo.

Confira Também:

Caos é um Deus Grego e foi considerado por Hesíodo como a primeira divindade a surgir no universo, portanto ele é o mais velho dos Deuses e Titãs. Também é conhecido como Deus primordial da Criação na Mitologia Grega.

Selene é, na Mitologia Grega, a Deusa da Lua. Mas diferentemente de Ártemis (que é da nova geração), Selene é a Deusa Antiga que representa o astro lunar. Essa divindade era muito querida entre os povos antigos.

Plutão ou Pluto, é o nome dado, na Mitologia Romana, ao Deus Grego Hades. Pluto é o Rei do Submundo e tem como animal de estimação, Cérbero, o Cão de três cabeças e guardião do submundo.

Júpiter é o nome dado - na Mitologia Romana a Zeus, o Deus Grego do Trovão e Rei dos Deuses. Zeus foi a divindade mais relevante das mitologias grega e romana, conheça mais sobre este ícone abaixo.

Thalia é, na Mitologia Grega, uma das dezenas de filhas do deus do trovão, Zeus. Essa "semideus" aparece na saga de filmes Percy Jackson e ficou bem conhecida a partir daí. Conheça mais sobre Thalia abaixo.

Fanes é uma divindade pouco conhecida na Mitologia Grega e é associado como o Deus da Vida. Muitas vezes é associado com Caos e também, como a divindade da criação. Foi filho de Chronos, confira abaixo.

Aurora foi, na Mitologia Romana, a Deusa do Amanhecer. Essa divindade (teoricamente) foi um plágio da Deusa Grega "Eos" e também, da Deusa Hindu, Hausus, confira a matéria abaixo.

Laverna é uma deusa exclusiva da Mitologia Romana e essa divindade é a protetora dos ladrões. Laverna tinha seu próprio santuário em Roma, além de ser um antigo espírito do submundo!