Série Spartacus: Tudo sobre o Egípcio

04/12/2020

     O Egípcio é um personagem misterioso que trabalha como membro do Grupo de Ashur. Ele é um antagonista proeminente em Vengeance. Confira tudo sobre este ícone de poucas palavras.


Quem é o Egípcio?

     Homem alto e musculoso, o egípcio é um homem silencioso e perigoso que raramente fala. Ele serve na equipe de mercenários de Ashur após ser libertado da prisão.


Habilidades em combate:

     O egípcio é brutal em sua luta, preferindo usar duas adagas para cortar e estripar seus oponentes, por serem armas mais rápidas. Ele também usaria um khopesh - uma espada egípcia semelhante a uma foice. Ele é um lutador perigoso e coberto de cicatrizes de ombro a ombro, uma para cada vida que ele tira e entalha em sua carne.

     Em termos de força, habilidade, resistência e durabilidade, o egípcio se destaca como um dos maiores lutadores retratados na série, com habilidades acima dos níveis de combate da maioria dos rebeldes. Isso pode ser visto quando ele luta contra alguns dos gladiadores mais experientes, como Crixus, Oenomaus, Gannicus, Spartacus e se mantém firme. O egípcio também é incrivelmente forte e parece muito resistente à dor, já que é capaz de acertar flechas em seu corpo com firmeza e ainda assim conseguir lutar.


Vengeance:

     Depois de convencer Glaber de que um tipo de lutador diferente dos soldados romanos era necessário para derrotar os rebeldes, Ashur começa a recrutar o mais bestial dos homens em Cápua. Sua busca o leva a recrutar mercenários e criminosos, e eventualmente ele chega à prisão de Capua para recrutar o egípcio, tendo ouvido falar de suas proezas de combate. Devido à extrema violência do egípcio, ele foi separado à força dos outros presos, dos guardas e colocados em uma cova profunda dentro das paredes da prisão. 

     Ashur ameaça os guardas para libertá-lo, e joga uma corda para o egípcio para que ele possa sair do fosso. Como um teste para a habilidade de luta de seu novo grupo, Glaber os leva a massacrar a Casa de Seppius, onde o egípcio mata vários escravos e guardas da casa com suas adagas gêmeas.

     Após o massacre de Seppius, o egípcio e seus companheiros mercenários recebem ordens de Glaber para crucificar o escravo pessoal de Illithyia, em parte como um aviso contra Spartacus, e também como uma medida de vingança contra Ilithyia. O egípcio atinge a escrava no rosto, antes que o grupo de Ashur a pregue em um poste de madeira.

Depois que Gannicus sequestra Ilithyia, Glaber leva os mercenários a um bordel que Gannicus frequentava para interrogar os residentes e clientes. Lá o egípcio mostra uma força imensa ao quebrar o pescoço de um bêbado que ousou comentar sobre a aparição de Glaber no bordel, torcendo o pescoço para trás com facilidade. Os locais estão visivelmente horrorizados com tal feito. Apesar da intrusão e do questionamento violento, descobriu-se que a única pessoa ali que conhecia Gannicus, Marcia, havia sido crucificada anteriormente, deixando Glaber sem ninguém para questionar. 

     Apesar disso, Glaber ordena que o egípcio e os outros mercenários interroguem os frequentadores do bordel, resultando em todos os residentes sendo implacavelmente torturados e massacrados. Os mercenários continuam de bordel em bordel, em busca de informações e matando violentamente todos os que não têm nada para dar, apenas para voltar de mãos vazias.

Recomendamos: Tudo sobre Theokoles


TRIVIA

  • A palavra latina para um assassino seria Sicarius, que significa literalmente "homem da adaga".
  • Um mercenário em latim era Mercennarius, que significa "mercenário".
  • Se o egípcio fosse um epigovos (mestiço estrangeiro), isso poderia explicar em parte sua profissão escolhida como mercenário, porque as crenças religiosas egípcias contemporâneas envolviam um grande medo de morrer no exterior, pois os ritos funerários adequados seriam desconhecidos para os estrangeiros.
  • O egípcio pode ter feito parte de uma seção da sociedade egípcia conhecida durante a era ptolomaica (séculos 3 a 1 aC) como Epigovoi. Epigovoi eram filhos de raça mista ou descendentes de mães egípcias nativas e pais Katoikoi (colonos militares), que muitas vezes eram de origem grega, celta ou trácia.
  • O egípcio nunca fala em nenhuma de suas aparições, com exceção de uma ocasião, quando entrega a cabeça de Lúcio Célio a Ashur.
  • O egípcio é o único antagonista da série que lutou contra quatro (ex) campeões da arena - Spartacus, Crixus, Gannicus e Oenomaus.
  • Stephen Dunlevy, o ator que interpreta o egípcio, tem 192 cm de altura.

A única frase deste ícone:

"É um romano, Lucius Caelius." ―O egípcio para Ashur

Últimos Posts:

Mazikeen é, na série Lúcifer, uma "Demônia" e para aqueles que não sabem, a Atriz Lesley Ann Brandt deixou seu papel de "Naevia" em Spartacus para interpretar nossa querida Maze.

Sura era a esposa trácia de Spartacus, que foi tragicamente tirada dele por seu inimigo mais odiado, Claudius Glaber. No entanto, sua memória foi mantida viva e honrada por seu marido.

Slade Joseph Wilson (série Arrow), com o codinome Exterminador pela A.R.G.U.S., é um antigo membro do Serviço Secreto Australiano de Inteligência. Confira.

O Egípcio é um personagem misterioso que trabalha como membro do Grupo de Ashur. Ele é um antagonista proeminente em Vengeance. Confira tudo sobre este ícone de poucas palavras.

Lúcio Cornélio Sula, (Sula ou Sila), foi um militar e estadista da gente Cornélia da República Romana, eleito cônsul por duas vezes e ele foi conhecido por marchar contra seu próprio povo.

Tullius Severus é um rico comerciante e ex-soldado na série Spartacus, e faz parte da classe de elite de Cápua. Aparece exclusivamente como o principal antagonista em Gods of the Arena.

Marco Minucio Rufo foi avô de Mercato (na série Spartacus) e embora ele é citado algumas vezes por seu neto na série, de fato, ele existiu e foi muito importante em sua época, confira.

Mercato é um político romano e nobre de Cápua. Ele é neto de Marcus Minucius Rufus, famoso conquistador dos trácios. Talvez Mercato seja um dos poucos romanos simpáticos!

Titus Calavius, em Spartacus, foi Magistrado de Roma e frequentemente estava na cidade de Cápua. Batitatus o estimava muito, mas até ter sua "Ambiciosa" escolha política cortada.